segunda-feira, 6 de junho de 2011

Profissionalismo de fachada

No JEC as coisas continuam as mesmas. Tudo resolve-se no impulso, sem o mínimo de planejamento. Parece que quem comanda o clube não sabe mais o que fazer e nem para quem recorrer.
Vou me atentar a algumas coisas, como por exemplo a contratação do gerente de futebol Moisés Cândido. Quando ele foi anunciado muitos imaginavam que finalmente a "Era do Profissionalismo" havia chegado ao clube. E não era para menos já que ele tinha o know-how de muitos trabalhos com grandes resultados.
Depois de alguns meses no clube ele é demitido! Alguém imagina por que? Deve ser porque a contratação foi pura fachada, ou seja, PROFISSIONALISMO DE FACHADA!

E a contratação do técnico Giba? Ahh...essa eu quero falar!
Não acho que o clube deva demitir técnicos o tempo todo! Sou um dos que defende um trabalho longo e com planejamento. Mas para isso a escolha do profissional deve ser feita de forma criteriosa para que os erros sejam minimizados. E no caso do Giba não houve esses critérios.
Lá traz eu disse que era totalmente contra a sua contratação! Um cara que não conhecia o futebol Catarinense e que seus últimos trabalhos não lhe credenciavam a conquistas dos objetivos do clube. Por exemplo, no Remo-PA o técnico não conseguiu fazer o time passar da segunda fase da série D e foi muito contestado lá por insistir com jogadores que não rendiam.
Tudo que começa errado tende a terminar do mesmo jeito!
Além desses casos vocês já perceberam a quantidade de jogadores que o JEC dispensa?
MUITOS!
Nem os clubes da Série A, que tem muito mais dinheiro e condições, dispensam na mesma proporção. Isso porque existe o tal planejamento na hora de contratar, para justamente minimizar o erro.

Tudo isso que vem acontecendo no clube é conseqüência do amadorismo. Agora estamos jogando a importantíssima Copa SC e nos "preparando" para a Série C. Será?

O JEC não sabe planejar! Tanto é verdade que agora está preocupado em copiar o que o Criciúma fez no ano passado, contratando jogadores do "estilo série C" (até jogadores que lá jogaram). Mas cada um tem um cenário diferente, e é nesse que o trabalho deve ser feito. Com certeza temos que nos espelhar em bons exemplos, mas cada um sabe o que tem "em casa" e como as coisas devem ser levadas!

Lá em Criciúma todos sabem que a subida para a Série B teve uma grande pitada de sorte. Por sinal muita!!! E convenhamos que essa tal "sorte" não anda por aqui a muito tempo.

Saudações Tricolores!

5 comentários:

  1. Sorte e um monte de dinheiro do Antenor Angeloni, Jefferson. Ab do jequeano

    ResponderExcluir
  2. É verdade. O Angeloni colocou muita grana lá, dai fica mais fácil mudar o rumo mais rápido. Mas o time que eles montaram ano passado correu grandes riscos e eles lá sabem.
    Valeu pelo prestígio! Abraço Jequeano!

    ResponderExcluir
  3. Sandrão - JOINVILLE6 de junho de 2011 17:41

    Tá complicado de ser feliz torcendo pro JEC Jeffito.
    Só o que conseguimos ter, são saudades dos anos 80. Feliz sou eu que as tenho. Muitos dos torcedores do tricolor não eram nem nascidos nessa época.
    Como já comentei em outros blogs, ter um planejamento e não saber como colocá-lo em prática, pra mim é incompetência!

    ResponderExcluir
  4. É, mas todo mundo diz que o NM coloca uma grande soma $ todo mês no Jec. Então, por que ainda não estamos na B?

    Olha, como é que as empresas desses caras vão pra frente com esse tipo de gestão? Ou no Jec é diferente?

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pelo blog. Confesso que não o conhecia. Vou inclui-lo na minha lista de blogs cuja leitura é obrigatória.

    ResponderExcluir